CANTINHO MÁGICO

sábado, 22 de setembro de 2007

Coincidências, Sincronicidades, Habilidades

Coincidências, Sincronicidades, Habilidades
por Vera Ghimel -

Uma amiga me contava que há um tempo, quando ainda não havia despertado para a espiritualidade, lera um texto sobre coincidências, sincronicidades e habilidades. Achei um bom tema para explorar.

No passado, a humanidade qualificava os acontecimentos como coincidências. Com a chegada da teoria junguiana, e mais tarde da física quântica, passou-se a definir a vida como possibilidades sincrônicas. O Universo está pronto com as infinitas possibilidades, nós é que precisamos nos afinar com ele para desfrutar dessa parceria. Hoje, o que estamos buscando são as habilidades. Não só estarmos receptivos às sincronicidades como estimular esses movimentos sincrônicos, o que nada mais é do que co-criar.

O que nos impede de poder interferir com o natural movimento sincrônico é apressar os acontecimentos. Precipitar o que “achamos” ser o melhor pra nós para obtermos os resultados pretendidos. Vou exemplificar: consideremos que você queira viver um grande amor e que já focalizou o pretendente pelos olhos. Ele ainda não sabe de seu interesse, mas você já o idealizou no posto de ser o marido ideal. Fica, então, pedindo ao Universo que facilite as circunstâncias necessárias para a aproximação.
Ele, por sua vez, está meio “avulso” e aberto a novas experiências, o que viabiliza a realização do início do seu desejo. Quando começam a se relacionar, você percebe que não é nada daquilo que imaginava. Rompe-se, muitas vezes, o relacionamento com mágoas, o que poderia ter sido melhor se fosse de amizade (isso serve também para os homens).

Emprego, casa, carro, profissão, relacionamentos, sucesso poderão se tornar um pesadelo pela forma como são buscados. Pedir não é o problema, pois o Universo dá sem questionar ou julgar o pedido. O problema é receber e administrar. Estar “comprometido” com o seu pedido. Querer e desejar são verbos que podem traduzir momentos passageiros. Quantas vezes queremos algo e logo depois desistimos? Somos muitas vezes como crianças com vontades e desejos passageiros, sem atinarmos para as conseqüências deles.

Mas como saber se o nosso pedido ao Universo pode ser algo de ruim pra nós? Simples: Se queremos ter estabilidade financeira pedimos que estejamos naquele momento comprometidos com a abundância e prosperidade em nossa vida e que o Universo traga tudo de melhor.

Vou contar uma história de um amigo próximo que só dizia que queria um carro esportivo do tipo utilitário e teria que ser branco. Ficou perseguindo esse desejo pela palavra de co-criação com o Universo e só apareciam carros de outras marcas e de outras cores. Chegou a ter um vermelho, mas não desistiu. Queria porque queria!
Pois bem, conseguiu aquilo que ele achava ser o melhor pra ele. Por algum motivo que eu não sei bem explicar, a partir dali começou uma descida em sua vida pessoal, financeira, emocional e espiritual, fazendo com que ele desaparecesse de circulação em profunda depressão. Seu carro esteve parado em sua porta por mais de 2 anos, até ser rebocado, recentemente.

Outro caso que conheci e que foi parar na televisão foi o do brasileiro que decidiu, há muitos anos, ir para os EUA para ser ator. Queria ser rico e famoso, em Hollywood, na Flórida, e achava ser pela porta da arte cinematográfica. Penou com a carreira de ator (fez formação lá) por um bom tempo. Foi quando decidiu fazer medicina e hoje se tornou o maior cirurgião plástico, rico e famoso, em Beverly Hills, na Califórnia.

Às vezes teimamos com algo que não é o caminho mais indicado para obtermos o mesmo resultado, ou melhor. Para cada um de nós, a forma de aprender é diferente, por nosso próprio desejo. Se para uns a riqueza virá do sucesso profissional, para outros será através de uma loteria ou mesmo herança. Nós precisamos pedir ao Universo e se comprometer em recebê-lo, mas sem perder de vista o caminho que o Universo nos trará.
Precisamos nos responsabilizar pela administração de tudo recebido e agradecer sempre. Lembrando que montamos o nosso projeto de reencarne com o que entendemos ser o melhor pra nós e este não é submetido a nenhuma apreciação, nem de Deus.
Assumimos a forma com que queremos reencarnar e viver as experiências aqui, o que não garante que seja um projeto eficaz. Podemos renegociá-lo (breve ensinarei como, no meu livro "Renegociando o Karma") e mudar a forma desse aprendizado ser vivido. Salvo as situações em que a pessoa vem com limitações indicando que não quer interferências. Mas, mesmo assim, podemos ver se há um jeito, pois temos o direito de reestruturar a nossa passagem por aqui. Basta mantermos a essência do aprendizado.

Lembre-se: sofrimento nada mais é do que a ante-sala do que realmente sentimos. Se atravessarmos o “medo de sentir” (sofrimento), entraremos nos verdadeiros sentimentos que muitas vezes protegemos por muitos anos. O sofrimento é a certeza da porta fechada que não nos deixa ter contato com o que é. Vencidos os obstáculos, estamos aptos para viver nossas habilidades e co-criarmos com o Universo.

Lei da Atração

Vidas Passadas e a Lei da Atração
por Maria Silvia Orlovas -

Muitos amigos e clientes têm me perguntado sobre a Lei da Atração e isso gerou uma investigação da questão das Vidas Passadas, pois a maioria das pessoas entende que numa sessão aparecerão as situações que geraram o karma que estão vivendo. Se por acaso o sofrimento é com o companheiro ou companheira é esperado que descubramos uma vida em que aconteceu um grande desacerto, um abandono, uma terrível traição, enfim, algo que justifique o sofrimento atual. Porque o pensamento linear está preso à Lei da Causa e Efeito como um castigo.
Posso dizer que culpa é até uma palavra pouco usada, já que hoje em dia entendemos ser absolutamente necessário nos libertarmos dela, porém o sentimento como vibração persiste na egrégora das pessoas, mesmo daquelas que acham que não têm.

Quando as pessoas me procuram, sempre explico que existe uma condução espiritual para o trabalho e que nos será revelado aquilo que temos capacidade de compreensão e isso se deve exatamente à Lei da Atração, pois essa lei não se aplica apenas a um processo mental simplista que gera resultados, mas a tudo na nossa vida.

Vejo que muitas pessoas estão presas a conceitos superficiais da Lei da Atração imaginando que se tiverem pensamentos positivos tudo se resolve a contento, mas não é bem assim que acontece na prática. Pelo simples motivo que poucos de nós vibram em uníssono, pensamentos, palavras e atitudes. Aliás, poucas são as pessoas que realmente acreditam em suas palavras e refletem as mesmas em atitudes.

Às vezes é até fácil falar em coisas positivas, no entanto, os sentimentos que geram os pensamentos continuam vibrando em ondas cheias de dor, mágoas que conscientemente não queremos ter, mas temos...
Vidas Passadas respeitam a mesma condição. Não adianta apenas pensar que pagamos contas de atos do passado. Muitas vezes é mostrado que hoje enfrentamos os maiores desafios em nossas próprias sombras, pois o motivo não está no outro, mas em nós mesmos.
Vou usar o caso de Antonio para exemplificar o que isso significa.

Ele, um engenheiro formado por uma conceituada universidade daqui de São Paulo me procurou para entender porque sua vida profissional não dava certo. Comprometido com o trabalho, exigente e detalhista em seus projetos, tinha inclusive dificuldade para receber seus serviços. Sofria demais tentando encontrar segurança, buscando empregos fixos que sustentasse o seu padrão de vida espartano. Mesmo assim as coisas não fluíam... Assim ele imaginava que em vidas passadas deveria ter destruído cidades, matado pessoas, e sacrificado a felicidade de alguém. Ele não falou em culpa, mas esse sentimento estava embutido em suas palavras.

Quando explico que autoconhecimento é importante, não estou falando apenas de meditação e de outras técnicas que ensinam como melhorar nossa qualidade de vida mas de um mergulho em nossas reais intenções. Percebo no meu trabalho que as pessoas costumam acobertar suas falhas até de si mesmas. Fecham as portas do inconsciente e jogam fora a chave. Num movimento de autoproteção. Dizem ao mundo que querem fazer tudo certo, mas não aceitam o erro como parte do processo de aprendizado. Falta humildade de assumir falhas e coragem de retomar caminhos.
Como ensinam os Mestres, a aceitação é um caminho importante de cura.
Na sessão de Antonio, ao contrário do que ele esperava, apareceu seguindo a Lei Universal da Atração, uma vida em que ele era filho de um homem muito rico e que não precisava fazer nada para ganhar a vida. Com isso foi perdendo o interesse pelas coisas do mundo já que não tinha que conquistar nada. Sua apatia foi criando uma casca de proteção recheada de inércia. Desse modo, ele não necessitava de nada do mundo, não precisava do aprendizado, nem da movimentação que a vida exige de todos nós. Ele criou um afastamento das pessoas e de tudo ao seu redor.
Ao contrário do que pensou nada foi mostrado no sentido de destruição, de pessoas mortas, batalhas. Ele não estava sendo punido por atitudes externas. O que esse homem vivia era o fruto de seu plantio anterior no solo de sua mente superconsciente. Ele havia na vida passada se fechado, se afastado do mundo. Disse para a sua parte divina que não precisava de nada. Criou um mundo de negação. Ao mesmo tempo, continuava exigente, gostava de coisas caras, sabia apreciar o belo, mas hoje não tinha mais dinheiro para comprar nada disso.
A negação é uma atitude muito triste. Precisar de coisas em excesso também o é. Neste raciocínio precisamos equilibrar nossos quereres. A sociedade de consumo diz o tempo todo que precisamos de coisas. Você pode observar em sua própria vida, quando vai ao shopping: tudo é lindo, tudo é novidade e nossas roupas, nossa casa parece um antiquário....
O que fazer?
Não querer coisas?
Viver na simplicidade?

No aprendizado espiritual aprendemos que é necessário um equilíbrio em nossa vida. Nosso desenvolvimento espiritual é para aprender a dar valor ao que de fato tem valor, pois a vida é feita de constantes escolhas. Claro que não precisamos de tudo o que vemos de bonito a nossa volta. Inclusive, muitas coisas devem ficar exatamente onde estão.
Os Mestres ensinam que devemos carregar as coisas boas como lembranças felizes em nossas mentes, mas para isso precisamos criar um espaço dentro de nós.

Na sessão de aconselhamento que se seguiu conversando com o Antonio nos deparamos com outras importantes questões que ele não mencionou como o fato de não conseguir permanecer em seus relacionamentos afetivos porque se sentia cobrado... Ele também me confidenciou que detestava morar com sua família já que era um homem feito e acreditava que o certo na sua vida seria viver sozinho.
Raiva e culpa se misturavam em seus sentimentos. Afinal, não há nada de errado alguém querer se sustentar e ser dono de sua vida. Mas porque que isso não se abria para ele?
Conversamos muito sobre sua postura em diversas facetas de sua vida que não cabe aqui mencionar. Enfim, chegamos juntos à conclusão que a cura de tudo isso que ele estava sentindo seria mesmo a aceitação da sua vida e ir tirando a raiva do coração, porque enquanto ele sentisse essa revolta sem nome vibrando no peito, as pessoas e o mundo refletiriam exatamente essa vibração.

Saindo da sessão, resolvi escrever esse artigo porque ficou claro que a Lei da Atração só poderá trazer amor, prosperidade e coisas boas para nossa vida quando estivermos vibrando essa luz. Enquanto apenas desejarmos essa cura sem mergulhar profundamente para limpar nossa alma, nada disso acontecerá e a Lei da Atração será apenas mais um modismo da auto-ajuda.

quinta-feira, 20 de setembro de 2007

Criando Prosperidade

Criando Prosperidade
por Vera Ghimel - veraghimel@oi.com.br

Para que possamos mudar da escassez para abundância, primeiro temos que avaliar as nossas convicções sobre o dinheiro. De nada adianta você desejar prosperidade e acreditar na dificuldade. Por educação ou cultura vigente estamos sempre com dúvidas se merecemos, se somos competentes o suficiente para alcançarmos os objetivos, se é certo desejarmos ter uma vida confortável quando “tantos passam necessidade” e mais uma grande quantidade de prisões que não permitem a sua decolagem.

Mas construir a prosperidade requer velocidade. Aja rapidamente. Parta para a ação inspirada como diz Joe Vitale em seus livros. Primeiro defina uma intenção, depois siga os seus impulsos (os sinais). Não deixe o seu Ego tomar conta do seu movimento, pois ele está contaminado pelas instruções negativas de infância. Eu ajudo a desprogramar, em meu consultório, retirando os padrões infantis implantados nos temas dinheiro, saúde e amor. Na infância que aprendemos como lidar com esses três temas seja de uma forma boa ou não. É com essa ótica aprendida que levamos para o resto da vida nossa relação com estes assuntos. São os 3 pilares.

Para reforçar a idéia pretendida focalize imagens alegres, inspiradoras. Tem uma forma bem interessante no filme “O Segredo” que nos ensina a colar imagens numa cartolina ou quadro de cortiça, de tudo aquilo que se quer. Mas sempre com o pensamento de que ali já foi tudo conseguido, como num painel de conquistas. Seja o que for que você definiu como objetivos e desejos, vá buscando imagens e colando como num grande mosaico de coisas boas. Esta forma me pareceu muito eficaz para quem tem dificuldade de visualização de seus desejos. Cultive o seu jardim de alegrias. Você verá que aparecerão as oportunidades para que aquelas imagens se concretizem. No filme “O Segredo” um homem se assustou ao ver, depois de algum tempo, que havia comprado a mesma casa que colara como representação do seu desejo. Quando você visualiza, você materializa.

Somos criadores de nossa realidade e isso é um fato. Quanto mais impregnamos de sentimentos nossos pensamentos, mais rápido eles se tornarão realidade. Tudo o que você pensa mesmo que estiver apenas lembrando (mental no passado), observando (mental no presente) ou imaginando (mental no futuro) acontecerá.

Confiar que se manifestará o que deseja é essencial, mas não controle a forma, pois o Universo tem bilhões de possibilidades de confeccioná-la. Mas também não fique com sentimentos que o que você deseja é tão grande que o Universo vai demorar pra lhe trazer. Isso não é verdade. Ele traz qualquer coisa. O que o impede de fazê-lo é você mesmo. Não crie mensagens conflitantes em que uma hora você está na sua casa própria, com conforto e numa outra, está com medo de assumir grandes responsabilidades. O pensamento não pode retroagir e nem desistir. É como se você escrevesse uma carta, enviasse e no meio do caminho resolvesse interceptá-la. Assim ela jamais chegará ao seu destino. Tenha certeza do que quer.

Desprograme os pensamentos enraizados quanto ao tempo e espaço. Pedi e recebereis. Bata e a porta se abrirá. Você é o diretor, produtor e roteirista de sua própria existência. É ai que mora o perigo. Depois não reclame se atrair um monte de coisas das quais não gostaria. Pense direitinho, afinal, todos queremos rodar um bom filme para sentirmos o gostinho de receber o nosso Oscar pelo conjunto da obra.

www.borboletaprateada.blogspot.com